Exposição “Cazuza – Mostra Sua Cara” mostra a atualidade da obra do poeta

Por André Sollitto - 22 de outubro de 2013
A exposição "Cazuza - Mostra sua Cara" ficará em exposição no Museu da Língua Portuguesa até fevereiro de 2014 / Foto: Colherada Cultural

A exposição “Cazuza – Mostra Sua Cara” ficará em exposição no Museu da Língua Portuguesa até fevereiro de 2014 / Foto: Colherada Cultural

Pela primeira vez, um músico ganhou uma exposição no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo. “Cazuza – Mostra Sua Cara“, que abre nesta terça-feira (22) e fica em cartaz até o dia 23 de fevereiro do ano que vem, mostra a trajetória do poeta do rock brasileiro por meio de imagens, músicas, vídeos e instalações interativas, e quer provar que a influência de Cazuza pode ser sentida — e muito — na maneira de pensar dos jovens de hoje.

O visitante que chega ao primeiro andar do museu, onde está instalada a exposição, é recebido por dezenas de rostos desconhecidos, acompanhados por frases escritas por Cazuza. Em seguida, uma sala com um grande telão mostra algumas imagens do músico, suas influências musicais e literárias, com direito a comparações entre a obra original de artistas como Cartola e Dolores Duran e escritores como Clarice Lispector e Oswald de Andrade e as letras do cantor, além de frases que sintetizam sua importância para a música.

Rostos de pessoas desconhecidas, combinados com trechos das letras de Cazuza, dão as boas-vindas aos visitantes / Foto: Colherada Cultural

Rostos de pessoas desconhecidas, combinados com trechos das letras de Cazuza, dão as boas-vindas aos visitantes / Foto: Colherada Cultural

Depois desses aperitivos, o visitante mergulha de vez na obra do cantor. Um corredor escuro, cheio de espelhos e com algumas luzes coloridas é preenchido por gravações de Cazuza. Em seguida, uma outra sala com cinco telas passa continuamente depoimentos de amigos, familiares e estudiosos. Sua mãe, Lucinha Araújo, Ney Matogrosso e Lobão são alguns que falam sobre o músico, enquanto professores de história e antropólogos falam sobre o impacto que suas atitudes e canções causaram no Brasil, e de que maneira se refletem no pensamento do jovem de hoje.

Outra sala mostra fotos do cantor ao longo de sua vida, enquanto imagens e legendas mostram a situação do país em cada época. Em seguida, o visitante pode mostrar seus talentos como cantor em um grande karaokê com as músicas mais famosas de Cazuza. Suas letras são analisadas em outra sala, com direito a explicações sobre versos, refrões e o tipo de rima usada em cada faixa. Outra instalação inclui diversas entrevistas do músico, projetadas sobre suas letras, datilografadas e corrigidas à mão. Até os banheiros guardam parte da exposição. Imagens de shows do músico são projetados nos espelhos, enquanto caixas de som tocam trechos de apresentações de Cazuza.

Letras escritas à mão, a famosa faixa e os óculos de Cazuza estão expostos junto com outros objetos pessoais / Foto: Colherada Cultural

Letras escritas à mão, a famosa faixa e os óculos de Cazuza estão expostos junto com outros objetos pessoais / Foto: Colherada Cultural

A última parte da exposição é a mais emocionante para os fãs. Diversos itens pessoais do cantor estão expostos nas paredes. Seus tênis (um surrado par de Chuck Taylors que podem ter sido brancos um dia), seus óculos escuros, a famosa faixa, as calças vermelhas, letras escritas à mão e até suas escovas de dente foram colocadas em caixas pretas com alguns versos que ficam fechadas, revelando os itens aos poucos.

“Cazuza – Mostra sua Cara” propositalmente se afasta da simples reconstituição da vida do cantor e compositor para focar em seus talentos como letrista, a maneira como suas posições ideológicas continuam influenciando as pessoas e como ele lutou contra tudo que julgava injusto no país. O curador, Gringo Cardia, disse que o objetivo é mostrar como Cazuza transformou poesia em música. No fim, enxergamos como sua música virou o grito por justiça para mais de uma geração.

SERVIÇO
Cazuza Mostra sua Cara
Museu da Língua Portuguesa
Praça da Luz, s/nº
Tel.: 11 3326 0775
R$ 6 inteira (às terças e sábados, a entrada no museu é grátis)
Não abre às segundas
Até 23 de fevereiro de 2014