Tom Zé e o tribunal do Facebook — depois do comercial da Coca-Cola, um álbum para responder às críticas

Por Anna Carolina Lementy - 22 de abril de 2013
tom zé

Tom Zé gravou um disco para responder às críticas à participação no comercial da Coca-Cola/ Foto: Ana Clara MJ/ Reprodução Facebook Tom Zé

Há apenas duas horas, Tom Zé deu a melhor resposta às críticas que nasceram de sua participação em um comercial da Coca-Cola: fez música. Ou melhor, um álbum inteiro, batizado de “Tribunal do Feicebuqui”. A faixa mais emblemática é “Tom Zé Mané”. Começa com o característico barulhinho que os computadores com sistema Windows fazem quando são ligados. Vibrante, cantada em coro e rap, aponta que “Tio Sam baixou em Sampa” e que Tom Zé é um americanizado que quer bancar Carmen Miranda. Ou o príncipe que virou sapo. Diz um trecho cantado por Emicida: “Defenda-se já no Tribunal do Feicebuqui. A nossa súplica: que é que custava morrer de fome só pra fazer música?”.

tom zé tribunal do feicebuqui

A arte do novo álbum, “Tribunal do Feicebuqui”/ Foto: Reprodução Facebook Tom Zé

Além de Emicida, o novo disco, com cinco faixas até o momento, conta com as participações de Daniel Maia, Filarmônica de Pasárgada, Tatá Aeroplano, O Terno e Trupe Chá de Boldo, citados como padrinhos da obra pelo artista. A paternidade é do crítico de música Marcus Preto; a parteira é Neusa Martins e a assistente, Tania Lopes.

O disco na íntegra deve ser lançado em julho ou agosto, em Irará, na Bahia, onde Tom Zé pretende entregar o cheque com o cachê da Coca-Cola a Diógenes Barbosa, presidente da Lítero Musical 25 de Dezembro, a banda de música de Irará, a qual faltam recursos, conforme conta no material de divulgação do álbum.

O novo trabalho pode ser baixado no site oficial do Tom Zé. Está em um banner no topo da página. O link permite o download das cinco novas músicas e de um PDF com as respectivas letras e a “certidão de nascimento” do “Tribunal do Feicebuqui”, “o filho do coca-colismo espermatizado pelos amigos do Tom Zé”.

Com uma ironia fina e o selo Tom Zé de qualidade musical, é de saída uma obra que propõe refletir sobre algo que todo mundo que está conectado reconhece: o poder das redes sociais de sacramentar o que é bom ou ruim. De massacrar ou celebrar. Com a autoridade do réu, Tom Zé não se defende. Prefere sublinhar os múltiplos “crimes” que cometeu. Quem decide se ele é culpado ou inocente é você.

O site “Trabalho Sujo” já colocou uma das faixas no Soundcloud. Ouça agora:

Dá uma olhada na letra de “Tribunal do Feicebuqui”

Composição: Marcelo Segreto / Gustavo Galo / Tatá Aeroplano / Emicida

Tom Zé mané
Baixou o tom
Baba baby
Bebe e baba
Velho babão
Tom Zé bundão
Baixou o tom
Baba baby
Bebe e baba
Mané babão
Seu americanizado
Quer bancar Carmen Miranda
Rebentou o botão da calça
Tio Sam baixou em sampa
Vendido, vendido, vendido!
A preço de banana
Já não olha mais pro samba
Tá estudando propaganda
Que decepção
Traidor, mudou de lado
Corrompido, mentiroso
Seu sorriso engarrafado
Não ouço mais, eu não gostei do papo
Pra mim é o príncipe que virou sapo
Onde já se viu? Refrigerante! E agora é a Madalena arrependida com conservantes
Bruxo, descobrimos seu truque
Defenda-se já
No tribunal do Feicebuqui
A súplica:
Que é que custava morrer de fome só pra fazer música?